Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A tua silhueta.

michael-henry-284473.jpg

Quando lá cheguei fui para o meu canto, sozinha, esperando que a minha comum solidão me acompanhasse. E acompanhou, mas rapidamente fugiu quando um rapaz de olhos claros se aproxima e pede para se sentar. E como sempre lá fiquei eu a matutar. Com tantos lugares vazios, porquê ali? Com tantas raparigas bonitas, porquê sentar-se ao pé de mim? Pensei que ficasse por ali, tentei desfazer-me daquele nervoso miudinho que ele me trazia, mas não consegui.

Houve um exercício que fizemos onde tivemos de ficar juntos, quase colados um ao outro. Quando chego ao pé dele parecia que o meu corpo ia entrar em colapso. Não parava de tremer, só conseguia temer a possibilidade de ele se aperceber pois não fazia qualquer sentido eu tremer de maneira tão brusca, tão… desesperante! Mas não durou nem um minuto, rapidamente ele teve de sair dali e foi tão estranho, como se um enorme vazio me consumisse de repente.

Mas algures no meio de exemplos como estes, eu ia me lembrando de ti. No meio de tantos jogos onde nos aproximávamos, até ele se aperceber que eu não servia e procurar outros rumos, a tua memória constantemente aproximava-se também, procurando dominar o meu coração novamente, talvez como castigo de te ter negado tudo isso anteriormente.

Foi aqui que a nossa história endoideceu. Num vai e vem de sentimentos e memórias, a tua silhueta voltava e rapidamente se desvanecia, mas nunca por muito tempo. É aquelas experiências de vício, tu tornaste-te um vício. Pensar que neguei tudo o que sentia por ti, ao mesmo tempo que o tempo parava e eu ficava enfeitiçada… Pensar que depois de tudo isso, alguém me traria sentimentos que me levariam a outros mal resolvidos, que rapidamente viriam à tona novamente. E que por incrível que pareça, desta vez eu iria deixar-me dominar por eles. Iria fazer de tudo para ver o teu sorriso atrapalhado novamente, quando nem fazia ideia que sorririas de forma tão bonita. E como era tudo tão bonito! Cada detalhe que tu me trazias, e cada frase que eu te entregava assinada pelo meu coração.

Hoje sonhei contigo, e só posso dizer que ao acordar vi a tua silhueta de novo.

 

Photo by Michael Henry on Unsplash