Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Dores que nos acompanham.

ben-white-132978.jpgHá palavras que doem. Por vezes até são as nossas. Doem-nos na alma e no peito. Ecoam na nossa mente. Há pensamentos que doem. E o pior é que não lhes podemos fugir. Pertencem-nos. A nós e a mais ninguém. Mas doem. A nós, exclusivamente. De tal forma que abrem feridas que pensávamos terem cicatrizado por completo. Mas estas dores abrem a nossa alma, por muito bem cicatrizada que a mesma esteja. E de cada ferida caí uma lágrima, que impede que esta sangre, volta a curá-la. Numa cicatrização molhada as feridas de novo se fecham, mas permanecem lá, para cada vez que te lembres, cada vez que oiças aquilo que não deves, sintas a dor de quando te feriste. Faz parte. Vivemos assombrados por todas essas feridas que nos cobrem a alma. Nem todas cicatrizam, por vezes, de tamanha a sua profundidade. Nem todas o fazem rapidamente, do quão doloroso foi aquele golpe. Mas continuamos vivos, no meio desta mágoa que nos forma, sobrevivemos. E no meio dela, também, arranjamos espaço para nos preencher, para nos curar, para nos aquecer. Arranjamos espaço para tudo de bom que a vida tem para nos trazer.

 

Photo by Ben White on Unsplash