Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Feitiço platónico.

joshua-earle-183442.jpgPlatónico. Assim defini aquele sentimento. “E o que defines por platónico?” Algo inalcançável. Um sentimento por um mundo desconhecido que jamais será nosso. Chão em qual jamais poderemos pousar os nossos pés, ou sequer respirar do mesmo ar. Apenas percebi isso tarde demais.

O que começou da forma mais estranha tornou-se uma alegria, cheia de aventuras e viagens ao espaço. Ao mínimo detalhe, eu que sou fã dessas pequenas coisas, endoidecia rapidamente. Acho que mais que platónico era como se te idolatrasse. E meus amigos, eu não aconselho! Mas para mim parece difícil não colocar num pedestal aqueles que mais amo. São os imperfeitos que reinam os planetas da perfeição! E eu tonta, caio nos seus reinados, como fiel súbdita que jamais será seja o que quer que for para além disso.

Sim, parecia tudo um mar de rosas, um paraíso, o céu visto pelos nossos pequenos olhos quando não está cercado de poluição luminosa. Mas não durou para sempre. De tantas viagens ao espaço os foguetões começaram a falhar, mas eu teimosa, não deixei de tentar. As alegrias viraram espadas que o meu coração perseguia. O ar começou a escapar, comecei a sufocar… As espadas começaram a ferir-me, comecei a sangrar…

Hoje não sei o que aconteceu. Pergunto-me porquê? Porquê eu? Vivo nesta agonia numa cama de hospital, agarrada a memórias perdidas que só me fazem mal. É tudo confuso e está bem misturado, como um baralho de cartas pronto para ser jogado. A única coisa que ainda entendo é que endoideci. Por amor, endoideci. Por amor, perdi o juízo e agora não sei como recuperá-lo. Ao que parece, quando se trata de feiticeiros, não podemos enfeitiça-los.

 

Photo by Joshua Earle on Unsplash