Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Num meio desastroso.

rawpixel-com-274863.jpg

Desastroso o meu gosto. Aventuro-me por algo sem nexo, julgado e criticado por todos. Os meus interesses diferenciados, distinguem-se do correto. Venho por este caminho, vivendo a minha vida, onde só respiro e nada me anima. Queria virar para a estrada principal, mas em vez disso continuo por este atalho fingindo que “sei viver”. Mas eu não conheço os percursos possíveis, muito menos onde eles se direcionam, e se me atrevo por onde não devo ainda acabo numa colisão fatal, com alguém que foge e em mim embate.

Desastrosa a minha mente, que não se decide. Segue em frente, volta a trás, nunca sabe por onde ir. Agarra-se ao que não deve… Acho que se observarmos bem ela está numa redoma, uma redoma que a prende no passado quase por inteiro. A pergunta é… Como viver o dia de amanhã, se continuamos a vaguear nas memórias de há cinco anos?

Desastroso o meu coração. Sente de mais e não se controla. Parece uma bomba atómica. Nada lhe escapa, dos detalhes ao que está esfarrapado na sua cara. É difícil ser assim. Perceber tudo e nada, olhar ao insignificante e dar-lhe a importância que este sempre desejou, mas jamais ganhou. Mas o seu batimento permanece, forte e corrido, sempre naquele nervoso miudinho que acelera, acelera…

Desastrosa esta vida, que não nos trás qualquer sentido, nem resposta alguma… Nasce, estuda, trabalha, e morre. Faz algo que gostes e que te traga dinheiro. Vivemos no mundo onde o nosso deus e senhor rei é o dinheiro. Só para os mortos encontramos o verdadeiro. Mas se calhar esta salganhada toda é supostamente isso mesmo, uma salganhada. Ela diz-te para seres diferente, para te atreveres e te encheres de ousadia. Diz-te para seres indeciso, para escolheres um bolo hoje e um salgado amanhã, para que experiencies um pouco de tudo e não deixes nada escapar. E ainda te diz que os detalhes é que contam, pois à última da hora, são esses que o teu coração te trás à memória…

 

Photo by rawpixel.com on Unsplash