Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Palavras para quem não lê.

amy-humphries-81322.jpg

Tento chegar a ti. A ti que me deitas abaixo. A ti que nunca tens tempo. A ti que és arrogante. A ti que és de tantas críticas. E a tantos outros que parecem fantasmas nos bastidores da minha mente. Tento chegar àquele que me deu a mão, mas no precipício a largou. Tento chegar àquele que ouviu mil e um desabafos meus, mas sempre os ignorou. E ainda tento chegar àquele que me queria salvar, mas não sabia como, e acabou por seguir o seu caminho, um caminho sem mim.

Queria que visses o quanto me magoaste. Queria que sentisses as lágrimas a escorrer pelo teu rosto a baixo. Queria pôr-te um telão de cinema à frente para que repasses nos detalhes que aqui me trouxeram. Se calhar não tiveste culpa alguma. Se calhar perguntaste o porquê de eu aqui te mencionar. E eu só te posso dizer que o teu único erro foi ver-me espalhada por cacos, e não me ajudares a os ajuntar.

Escrevo isto com lágrimas no rosto, lágrimas que desconheces, lágrimas que jamais verás. Arde-me cada cicatriz que cobre o meu frágil coração. Queria ser superior como tu. Queria ter vida o suficiente para me faltar tempo a gente como eu, como te falta a ti. Queria saber defender o meu coração de forma a que ninguém o atingisse, mesmo que com toda essa mesma arrogância que carregas. E queria saber ser tão crítica quanto tu, analisar tanto pormenor de forma rígida, distante, fria…

O que eu queria dizer é que queria ensinar-te a amar. Mas a minha forma de amar, é errada de tão ingénua que é. Mas eu queria, pelo simples facto de fazer-te perceber que não se larga a mão de alguém à beira do precipício, e não se nega o amor que essa pessoa tem para te dar, sem qualquer tipo de cobrança a bater-te à porta. Fazer-te perceber que se alguém te abre o seu coração, não devemos tratar as suas palavras como lixo, muito menos com abraços fingidos, pois essa pessoa precisa de ti, de formas que para ti são inimagináveis. E por fim, queria fazer-te perceber, que não se nega o sonho de uma vida sem se dar primeiro uma tentativa.

Com todo o amor, para ti que não lês, para ti que as minhas palavras vagas não interessam, que são puro drama de uma mente distorcida, aqui estão elas novamente, porque são livres para tal o fazer, são livres para baterem à tua porta mesmo que as ignores. Afinal, num coração coberto de cicatrizes, é impossível não estar preparado para mais um pontapé de cada um de vós.

 

Photo by Amy Humphries on Unsplash