Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Expressão da Imaginação

Aqui solto a minha mente, para que ela possa sobrevoar os céus dos sete mares. Não posso especificar ao certo o que vou abordar aqui, pois a vida é tudo menos previsível. Mas fica um pouco e deixa te perder...

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Palavras violentas.

daniel-von-appen-298841.jpg

Falamos de como as ações valem mais do que palavras. Que “palavras leva-as o vento”. Mas nem sempre seguimos o que dizemos. Por vezes fechamos os olhos às ações, e por outras nem uma pequena brisa passa por nós.

Por vezes as palavras valem muito. Afinal, é através delas que todo o nosso ser social se comunica. Basta que a palavra alcance o nosso coração tão certeiramente como uma flecha, para abrir uma ferida que “fingidamente” estava esquecida. Basta que uma frase nos acerte como um pontapé certeiro que ainda nos leva contra o poste da baliza. As palavras têm mais força do que se pensa. O seu poder é sobrestimado o tempo todo. Por vezes uma pequena palavra atinge-nos onde dói mais. “Agora tocaste-lhe na ferida”. Quem nunca ouviu esta expressão?

Mas por vezes também gritamos palavras sem intenção. Deixamo-nos levar por emoções ruins, que falam por nós. Pegamos no arco e usamos a flecha. Chutamos a “bola” com toda a força, tudo para acertar no poste. Dizemos coisas que nos arrependemos, e que magoam profundamente quem as ouve.

Nem sempre estas palavras violentas são propositadas, mas nem sempre significa que sejam sem intenção. São sempre conduzidas por emoções malvadas, que levaram a consideração que essa pessoa tinha por ti, deixando-a atrás da porta. Por vezes momentaneamente, outras permanentemente. Mas nada como um pedido de desculpas sincero para resolver a situação. Nada como deixar as emoções mais puras e belas ressurgirem na superfície outra vez. Nem sempre é possível… Mas “o que não nos mata torna-nos mais fortes”.

 

Photo by Daniel von Appen on Unsplash